Pablo Marutto

flica-2017-pablo-marutto

Pablo Argolo Maurutto nasceu em São Paulo, em 15 de outubro de 1974. Embora tenha nascido na capital paulista, veio muito pequenino, apenas com 15 dias de nascido para Salvador e foi nesta cidade que cresceu e se tornou soteropolitano e escritor de coração.

Sua ligação com as artes começou muito cedo. Desde os 4 anos, um dos seus passatempos preferidos era desenhar e sempre foi muito interessado por livros e pela música. Tão logo aprendeu a ler, lia e relia “O Menino Maluquinho, do escritor Ziraldo” e as “Aventuras de Pedrinho” de Monteiro Lobato. E, passava horas desenhando e se imaginando naquele mundo de fantasia dos seus personagens prediletos. Desenhava monstros, dragões, castelos, naves espaciais… desenhava os seus sonhos.

Os pais, Arthur e Ananete, incentivaram bastante a música, os desenhos e a leitura. Além dos muitos papéis, cadernos, tintas e lápis-de-cor, era sempre presenteado com instrumentos musicais. Ganhou o primeiro violão aos sete anos e aprendeu sozinho a tocá-lo.

Aos 8 anos, começou a inventar histórias em quadrinhos e livros de criaturas imaginárias. Passava horas, até no recreio da escola, com grandes cadernos, desenhando e escrevendo histórias. E assim, ia se descobrindo um pequeno escritor.

Passou a fotografar também, quando ganhou uma máquina profissional do pai e depois, de um tio, um laboratório de revelação de fotos em preto e branco. Com 18 anos, fotografava e revelava suas próprias fotos, encontrando na fotografia mais uma paixão.

Cresceu sem nunca se desgrudar a arte.

Casou-se com Ana Paula Caloi, uma arquiteta paulista que conheceu ainda na faculdade, com quem teve um filho, em maio de 2001, Pedro Caloi Maurutto.

Montou e administrou uma empresa de design, trabalhou desenhando cenários para peças teatrais, desenvolvendo websites, entre outras atividades ligadas ao desenho.

Desenvolveu seu interesse pela música na Academia de Música Atual (AMA), e participou da Extrato, banda que reunia os melhores alunos da escola e que lhe estimulou a paixão pelos palcos. A partir daí, tocou em diversas outras bandas, entre elas o Jheremmias Não Bate Corner, que o levou a ganhar um Troféu Caymmi, no ano 2000.

Formou-se em arquitetura e se especializou em habitação popular e urbanismo. Hoje é sócio e coordena projetos na empresa Urbe Planejamento.

Sua carreira como escritor profissional é recente. Escreveu a série “Uma Foto por um Conto”, publicada no seu blog e posteriormente na revista Caro Gestor; e o Lá Dentro da Mata, obra que vê como a de maior relevância entre todos os trabalhos que já desenvolveu. O Lá Dentro da Mata reuniu as três coisas que considera mais importantes na vida: a música, a literatura e a infância.